Europa Itália Roma

Onde se hospedar em Roma

Esse post traz informações para te ajudar a escolher a melhor região onde se hospedar em Roma, de acordo com os interesses de sua viagem.


Vez ou outra ocorre um sacrilégio: o relato de um turista que se frustrou com Roma. Reclamações sobre seu trânsito caótico, a bagunça das ruas, as multidões ou as poucas linhas de metrô. “Esperava que Roma fosse assim, tipo Paris”, escreve algum desavisado.

Mas Roma está acima de qualquer expectativa e nunca se é bom o bastante para ela. Em Roma, uma experiência ruim provavelmente terá vindo de um planeamento ruim. Ou, de um coração fechado.

Entendendo Roma

É muito comum reduzirem Roma ao Coliseu e Panteão, com o Vaticano do outro lado do rio. Mas a verdade é que há muito mais com o que se deslumbrar, se você se arriscar mais pra fora da região chamada Centro Histórico.

E como em todos os lugares, mas talvez especialmente em Roma, a escolha de em qual região se hospedar pode fazer bastante diferença sobre a forma como você vai viver a cidade. Vou então introduzir alguns desses locais, me baseando em experiências próprias, mas também um pouco nas de outras pessoas em quem confio.

Mapas de Roma

Roma tem diversas divisões e subdivisões administrativas, o que a torna difícil de simplificar geograficamente e os mapas que se encontra por ai são muito diversos. Como quero destacar e localizar apenas alguns bairros, fiz isso sobre um print do Google Maps, seguido de um resuminho sobre cada um deles.

Mapa de Roma - Bairros em Destque

C – Centro Storico

É no Centro Storico que se concentram as mais populares atrações. É muito simples de explorar a pé e você nunca estará a mais do que 5 minutos de algum local incrível como o Panteão, Fontana di Trevi ou a Piazza Navona. Muitos restaurantes e bares sempre à disposição, lojas e toda a energia do turismo em Roma se concentra aqui. Os pontos negativos são o preço da hospedagem e que você talvez, sendo engolido pela magnitude ao redor, não se encoraje em sair dali e explorar outras áreas de Roma.

Outra questão é que não existe metrô tão perto. As opções mais próximas serão Colosseo (linha B) ou Spagna (linha A).

M – Monti

Logo acima do Coliseu e em direção ao Termini, Monti, ao mesmo tempo que é central e bem conectado às principais vias e meios de transporte, guarda aquele aspecto pitoresco de uma clássica vila romana.

Esse bairro é bastante charmoso e repleto de ótimos bares e restaurantes, além de estar a uma pequena distância de muitos sítios históricos, como o Mercado de Trajano, a Domus Aurea (Casa Dourada) de Nero, o Coliseu e o Fórum Romano. É uma excelente opção.

Metrô: Cavour (Linha B)

E – Esquilino

Esquilino fica entre Monti e o Termini, principal estação de trem de Roma e também onde se cruzam as duas principais linhas de metrô. É um dos bairros mais multiculturais da cidade e onde se costuma encontrar bons preços de hospedagem.

Por estar ao lado do Termini, essa região tem uma injusta fama de não ser muito segura. Já nos hospedamos e caminhamos por ali e não há razão pra desaconselhar. Muito pelo contrário, em Esquilino, além de bem localizado, você encontra a maior colina de Roma, a incrível basílica de Santa Maria Maggiore – umas das quatro maiores de Roma e também muitos restaurantes de comida não-italiana, embora eu não entenda porquê isso interessaria a alguém.

Metrô: Vittorio Emmanuele (Linha A)

SL – San Lorenzo

San Lorenzo, assim como Esquilino, fica na região do Termini, mas do outro lado, à esquerda de quem olha a estação de frente. Esse bairro também recebe a fama de ser uma região não muito segura. Sensação que se agrava pelo aspecto sujo das ruas, com prédios pichados, lixeiras transbordando e uma enormidade de imigrantes moradores de rua, que perambulam por ali e montam acampamento junto às paredes do Termine.

Nos hospedamos em San Lorenzo com toda a nossa família (veja um vlog de nosso Natal em Roma, aqui), usando a estação como hub para todos os passeios. Andamos muito por ali e é real que essa área destoa do restante do que acessamos da cidade. Mas não tivemos problemas e eu nunca ouvi ou li sobre alguém que passou por algo grave ali. Os problemas relatados costumam ser de batedores de carteira, mas essa já é uma realidade de várias outras áreas de Roma e de outros centros na Europa.

A grande coisa de San Lorenzo é a possibilidade de se encontrar hospedagens bastante mais baratas, com o Termine logo ao lado.

Metrô: Termini (Linhas A e B)

Pi – Pigneto

A 3km do Termini, Pigneto parece uma pequena cidade do sul da Itália (pela arquitetura e pela gentileza das pessoas) encravada em Roma. Já “fora dos muros” e não muito turístico, o bairro oferece poucas mas baratas opções de hospedagem, uma vida noturna agitada e muitas feiras e barracas de comida de rua. Uma experiência local, bem conectada com o centro da cidade.

Metrô: Pigneto (Linha C)

SG – San Giovanni

Não muito longe do Centro Storico, San Giovanni é uma área que parece ainda intocada pelo turismo. Lar de moradores antigos, é um canto calmo da cidade, com opções de hospedagem mais acessíveis.

Em San Giovanni está a Arquibasílica Papal de São João de Latrão, a mais antiga e importante das seis basílicas papais do mundo.

Metrô: San Giovanni (Linha A e Linha C)

Ga – Garbatella

Forte reduto de torcedores da A.S. Roma, Garbatella parece ter parado no tempo. Longe da confusão turística, é um bairro simpático e calmo, de ruas estreitas e roupas penduradas na janela.

É um bairro muito tradicional e bastante próximo da Via Appia Antica – um dos grandes e mais significantes feitos da Roma antiga. Veja aqui um post inteiro dedicado à Via Ápia.

Metrô: Garbatella (Linha B)

Via Ápia, Roma - A Rainha das Estradas
Via Ápia, Roma – A Rainha das Estradas

O – Ostiense

Bairro símbolo do underground e da street art romana, Ostiense está colado com Garbatella formando um interessantíssimo roteiro alternativo, especialmente se você já conhece as áreas mais tradicionais de Roma.

Metrô: Piramide (Linha B)

Tr – Trastevere

Ruas e ruelas medievais, restaurantes, bares, artesãos e artistas de rua por todo lado. Trastevere, que significa literalmente “do outro lado do (rio) Tibre”, é o mais charmoso e boêmio bairro de Roma.

Não é difícil perder-se pelas ruas de Trastevere e talvez essa seja a melhor maneira de aproveitar a região, além de jantar em uma mesa do lado de fora de alguma tradicional trattoria.

É possível encontrar hospedagens com preço razoável e assim ficar muitíssimo bem localizado.

Sem link de metrô, mas a uma curta distância do Centro Storico.

Te – Testaccio

Separado de Trastevere pelo rio Tibre, Testaccio é um pequeno e tradicional bairro romano. Reduto de uma vida noturna agitada e de restaurantes de alta gastronomia, dificilmente você não vá passar por ali se ficar em Roma por mais de dois dias. A localização é excelente, mas não vai ser tarefa fácil encontrar hospedagem. Se achar uma boa oportunidade, pode agarrar.

Metrô: Piramide (Linha B)

A – Aventino

Aventino é um bairro calmo, muito arborizado, lar de embaixadas e refinados restaurantes. É uma localização excepcional, caso ache boas tarifas. É aqui que fica a Villa del Priorato di Malta e o famoso Buraco da Fechadura.

Metrô: Circo Massimo (Linha B)

G – Ghetto (Quartiere Ebraico)

O Ghetto di Roma ou Ghetto Ebraico é o mais antigo do mundo. Um local que combina a história romana com a história dos judeus, com um capítulo especial com o período do nazifacismo na Itália.

Às margens do rio Tibre, paralelo à ilha Tiberina, o Ghetto está numa localização muito especial. Com um pé no Centro Storico e outro no monumento a Vittorio Emanuele II e no Fórum Romano, margeado pelo rio e a poucos minutos de Trastevere ou do Vaticano.

Outros pontos interessantes do Ghetto são as ruínas do Teatro Marcello e do Pórtico de Otávia, construído pelo imperador Augusto (o primeiro imperador de Roma) em homenagem a sua irmã, por volta de 27 a.C.

Não há metro tão pertinho. A parada mais próxima é a Colosseo (Linha B).

B – Borgo

Borgo é a pequena região que compreende o Castelo Sant’Angelo até os limites da cidade do Vaticano. Foi lar de artistas como Michelangelo, durante a construção da Capela Sistina.

Hoje está cheia de lojinhas de souvenirs e restaurantes ruins. Porém, incrivelmente localizada.

Metrô: Ottaviano (Linha A)

Pr – Prati

Prati foi outro bairro onde já nos hospedamos. Uma região residencial muito arborizada, com grandes e largas avenidas, algo não muito comum em Roma. É lar de abastados romanos e ao mesmo que é incrivelmente calmo, está a uma curta distância do Vaticano ou do centro.

É provavelmente a região onde eu escolheria me hospedar em próxima visita à Roma.

Metrô: Ottaviano ou Lepanto (Linha A)

Pa – Parioli

Parioli é um exclusivo distrito a nordeste do Centro Storico. Uma tranquila área residencial e de negócios, com o ponto alto no Parque Villa Borghese, o principal parque de Roma.

Muito próximo dali está a Piazza del Popolo, a Porta del Popolo, a igreja Santa Maria del Popolo e o Museo Leonardo da Vinci.

Matrô: Flaminio (Linha A)

V – Vaticano

Dispensando apresentações, infelizmente você não poderá se hospedar no Vaticano, a não ser, talvez, que você seja uma pessoa muito, muito importante. Se a Cidade do Vaticano for o ponto alto de sua visita à Roma, a minha dica é hospedar-se em Prati.

Metô: Ottaviano (Linha A)


O que você achou? Se quiser mais detalhes de alguma região e eu puder ajudar, vou ficar feliz. É só dizer nos comentários!

E pra finalizar, quero indicar – como complemento aos conteúdos que crio aqui sobre Roma, um outro excelente blog (em inglês): anamericaninrome.com

Boa viagem!

Abraços,

Leandro.

2 Comments

  1. Tomás

    11 de março de 2020 at 18:22

    Quanta informação maravilhosa!! Nunca fui para Roma mas vou usar todas essas dicas quando planejar uma viagem para lá. Obrigado ❤️

    1. Aondes

      11 de março de 2020 at 20:28

      Ahhh Tomás, esperamos que você possa usá-las muito em breve! Roma é maravilhosa, sem palavras! Você vai amar muito… obrigada por estar aqui ♥

Leave a Reply