Europa Islândia

Como planejar uma roadtrip pela Islândia

Olá, tudo bem? Hoje quem escreve é o Leandro : ) Neste post vou passar algumas dicas de como planejar uma roadtrip pela Islândia.

Em Março de 2017 nós fizemos nossa roadtrip por lá. Demos a volta por toda a ilha, percorrendo a chamada Ring Road, a autoestrada que circula toda a Islândia. Fizemos também, é claro, muitos “detours”, quando escapávamos da estrada principal para pequenas vilas ou pontos de interesse diversos.

Pássaro voando sobre as montanhas nevadas

Viajar sozinho para qualquer lugar estrangeiro requer planejamento, mas alguns destinos exigem um pouco mais do viajante. A Islândia é um desses casos, em especial no inverno, que foi a nossa escolha.

Vale dizer que esta não foi nossa primeira viagem internacional e estávamos, em muitos aspectos, bem seguros em fazê-la. Uma roadtrip pela Islândia talvez não seja a viagem ideal como primeira experiência internacional.

Outro destaque é que a gente se vira o suficiente com o inglês. Diferente de muitos destinos, numa roadtrip pela Islândia, saber bem o inglês é indispensável. E não só para os dias por lá, mas também no planejamento. Quase todo o conteúdo de qualidade que encontramos em pesquisas estava em inglês.

Dito isso, vamos as dicas : )

Sentada em um banco, admirando a paisagem
Um cantinho à beira da estrada, na região do lago Myvatn

Qual a melhor época para ir?

Nós fomos ao final do inverno. A nossa escolha foi pura e simplesmente por querermos muito ver a Aurora Boreal. Por sabermos que no alto inverno seria muito difícil aguentar as temperaturas e as estradas estariam muito perigosas e por vezes interditadas, escolhemos ir ao final, para ficar um pouco mais agradável.

Foi incrível essa escolha! Ver a Islândia coberta de neve foi mágico e inesquecível.

No entanto, acreditamos que não exista necessariamente uma melhor época para ir, e sim uma época que melhor lhe sirva. Achamos que isso vale pra todos os destinos.

O verão trará dias bastante longos. Como na Islândia as atividades são outdoors, isso é uma tremenda questão a se avaliar. Porém, prepare-se para as hordas de turistas, em especial nas proximidades da capital Reykjavik, além de preços mais caros, pelas altas demandas.

A primavera e o outono são um meio termo interessante e muito aconselhável para quase todos os destinos. Temperaturas agradáveis, dias de boa duração, lindas cores na natureza.  Abril, na primavera e Setembro, no outono, são meses muito interessantes. Não são considerados alta temporada, mas também não são baixa temporada. Os estabelecimentos tendem a estar abertos e em funcionamento e os preços mais razoáveis. Há também menos turistas.

O inverno, em países frios, costuma ser considerado de baixa temporada. Com exceção das proximidades do natal e ano novo. Os preços ficam um pouco mais interessantes, porém muitos lugares como bares, restaurantes, comércio e atrações fecham. De novo, como na Islândia as atividades são outdoors, isso não é um problema, exceto pela questão da hospedagem. A oferta fica bastante reduzida e pode se esgotar rapidamente. O clima fica bastante hostil e as estradas mais perigosas. Tudo isso vai demandar um planejamento mais afinado, porém, há um bônus que para nós foi crucial: a possibilidade de presenciar a Aurora Boreal. Sem falar na paisagem islandesa do inverno. Uma loucura.

Vilarejo coberto pela neve
Casas com telhados coloridos e muita neve

Qual é melhor maneira de chegar?

Nós fomos a partir da Noruega. Chegamos à Europa num itinerário São Paulo/Lisboa/Oslo. Era parte do roteiro dessa viagem visitar a Noruega primeiro. (confira aqui um post sobre a incrível Preikestolen). Depois, da Noruega para a Islândia foi um pulinho : )

Não há voos diretos do Brasil para a Islândia. Será necessária uma conexão em qualquer parte da Europa ou ainda nos Estados Unidos. Lembre-se que, se os EUA estiverem em seu itinerário, você necessitará do visto americano. Caso você já tenha, pode considerar um stopover em Nova York, na ida ou na volta. Não seria nada mal sair do Brasil, fazer uma pausa de alguns dias em Nova York, antes de seguir a Islândia, não é?

Cavalos islandeses
De vez em quando encontrávamos fazendas com os cavalos islandeses. Demorava um pouco, mas logo eles vinham curiosos espiar ou até pra receber um carinho através da cerca

Hospedagem

Se você não optar pelo uso de motor homes, a principal dica aqui é: antecipe-se. A oferta de hospedagem pela ilha pode ser bastante pequena, dependendo de seu itinerário. No inverno existe menos procura, mas muitos hotéis e guesthouses estarão fechados. No verão, existem mais opções, mas a procura é muito maior. Isso vale para a capital e se agrava para o interior.

Além disso, uma roadtrip normalmente significa pernoitar cada noite em um lugar diferente (ou quase isso) e portanto, um número grande de reservas será necessário. Nós ficamos na Islândia por 11 noites e fizemos reservas em 9 locais diferentes. Alguns deles com apenas 1 ou 2 quartos.

Infelizmente, as hospedagens na Islândia são em média mais caras que em destinos tradicionais. Por isso, é importante ser versátil para fazer as pernoites caberem em seu orçamento.

Em nosso caso, nos hospedamos em muitas guesthouses, alguns hostels, um airbnb e dois hotéis. Nossos quartos sempre foram privativos, mas quase sempre os banheiros eram compartilhados. Como de costume, as experiências foram ótimas.

Não tenha medo de compartilhar espaços com outros hóspedes. Diminui seus custos e ainda pode lhe enriquecer a experiência.

Segue lista das cidades onde pernoitamos e os respectivos lugares onde nos hospedamos, seguindo o itinerário da viagem:

Reykjavik  /  1 diária / “I Sleep Reykjavik Guesthouse”
Eyvindarhólar  /  1 diária /  “Welcome Edinborg”
Hof  /  1 diária  /  “Hof 1 Hotel”
Höfn  /  1 diária  /  “Dilksnes Guesthouse”
Egilsstadir  /  1 diária  / “Laufás Guesthouse”
Lago Myvatn  /  2 diárias  /  “Hótel Laxá”
Hvammstangi  /  1 diária  /  “Hvammstangiu Guesthouse”
Ólafsvík  /  1 diária  /  “North Star Olafsvik”
Reykjavik  /  2 diárias  /  “Next Apartment Bergstadastraeti”

Reykjavik e suas casas de telhados coloridos
Os telhados coloridos das casas em Reykjavik

Como se locomover pelo país?

Embora o assunto deste post seja uma roadtrip, você pode conhecer a Islândia de forma diferente. É possível se hospedar todos os dias na capital Reykjavik e fazer uso de agências de turismo, que vão te levar para as inúmeras e incríveis atrações nas redondezas, no esquema bate e volta.

Agora, se você quiser ir além, o aluguel de um carro é indispensável. Não há uma rede de transporte público que te permita a fácil locomoção ao redor da ilha.

Já para o caso de uma roadtrip, obviamente você precisará de um carro. É possível com um motorhome – muito tentador no verão, mas como não foi o nosso caso não abordaremos aqui.

A gente alugou uma SUV 4×4, para termos mais segurança na estrada coberta de neve e fomos muito felizes.

O carro que usamos em nossa roadtrip
Nosso carro, durante os dias pela Islândia

Aluguel de carro

Alugar um carro na Islândia não tem segredo. Basta fazer a reserva com antecedência e, na retirada, ter seus documentos em mãos. Nós usamos nossa CNH brasileira e foi tudo muito tranquilo.

Alugamos o carro na empresa Ice Rental 4×4. Fizemos isso ainda no Brasil e pagamos com nosso cartão de crédito, na retirada. Eles nos buscaram no aeroporto e nos levaram até a empresa, que fica nas proximidades. Lá, assinamos todos os contratos e recebemos as instruções.

Passamos apuros com nosso cartão de crédito. A operadora negou a operação, talvez considerando o valor elevado. Ligamos no banco, mas ainda assim não conseguimos resolver. Por fim, desconfiados do motivo, dividimos o pagamento em dois cartões diferentes e funcionou. Ufa.

Como ainda não tínhamos trocado euros pela moeda local, o cartão de crédito era nossa única alternativa. Lembre-se sempre de ter mais de um cartão em mãos, e o dinheiro em espécie é sempre bem vindo.

Linda cachoeira e muita neve

É perigoso dirigir por lá?

Não.

Só vai ser perigoso se você não seguir à risca todas as orientações de segurança e não respeitar a natureza. As rajadas de vento e a neve sobre o asfalto são bastante traiçoeiras.

Se houver prudência, como sempre deve ser ao dirigir e se respeitar todas as sinalizações e avisos, não haverá problemas.

Porém, infelizmente os incidentes são comuns. Atolamentos por se trafegar fora de áreas demarcadas ou com carros inapropriados para o terreno. Perda do controle da direção pela pista escorregadia, ao se dirigir rápido demais ou com os pneus inadequados. E ainda, dificuldade no controle do carro por conta das rajadas de vento forte.

Estrada com muita neve ao ladoa
Em uma das situações mais perigosas, o chamado black ice – fina camada de gelo transparente sobre a estrada, nos engana fazendo parecer que a pista está limpa e em boas condições

Por isso, vamos ajudar com algumas informações. Existem muitos serviços de apoio para a direção segura numa roadtrip pela Islândia. Abaixo, vamos listar os principais e relacionar o que se deve consultar em cada um.

Começando com o site safetravel.is, que é excelente fonte de consulta para uma estadia segura, não só em termos de direção, mas de outras atividades. Desse site, destaco as seguintes dicas:

1) Todos os passageiros são obrigados a usar cinto de segurança em todos os momentos.

2)  Não pare no meio ou na lateral da estrada para fazer fotos. Muitos acidentes ocorreram quando turistas param em um local inseguro.

3) Escolha a sua velocidade de acordo com as condições do clima e estrada. O limite de velocidade aplica-se às melhores condições. No inverno elas raramente são tão boas a ponto de você poder dirigir no limite.

4) Desacelere quando você está se aproximando de estradas de cascalho. Os pneus perderão aderência ao atravessar de estradas pavimentadas para cascalho.

5) Respeite os bloqueios de estradas para sua própria segurança. “Loka” significa fechado.

6) Os faróis deve estar sempre acesos.

7) Verifique as condições do tempo e da estrada antes de começar o seu dia. Isto é especialmente importante no inverno.

8) Sempre pare e olhe quando se aproximar das pontes de via única. O limite de velocidade é de 50 km / h e o carro que chega primeiro tem o direito de passagem.

9) Não use seu telefone ou tablet ao dirigir.

10) Não dirija quando estiver cansado.

11) Crianças com menos de 1,35m são legalmente obrigadas a usar “cadeirinhas” de carro.

Todas as dicas são muito importantes, e a 3 e 7 dizem respeito às condições ruins às quais as estradas podem estar submetidas em função do clima na Islândia. Em especial no inverno. A dica 7 nos leva a outro site, muito importante e que foi nosso companheirão ao longo dessa roadtrip: www.road.is

Esse site monitora e informa as condições de toda a malha viária da ilha e em tempo real. Dá, inclusive, pra ter acesso a inúmeras webcams. É mesmo fundamental, antes de cair na estrada, checar as condições do trecho que você irá percorrer e se for um percurso longo, acompanhar as previsões para o longo do dia. E nunca, nunca mesmo se aventure contra as indicações.

Outro site muito bom é o www.drive.is , que dá muitas informações importantes sobre como dirigir na Islândia, apresentando também uma série de vídeos com o Elfis, um excêntrico elfo, muito bem humorado. Bem legal.

Por fim, algumas dicas adicionais:

– Tenha um celular com pacotes de dados e voz suficientes pelo tempo de sua viagem;

– Baixe o 112 Iceland App, disponível para Android, Windows phones e Iphones. Através dele você pode pedir socorro em caso de emergência com o clique de um botão. Sua localização é enviada ao serviço de emergência via SMS. É possível também ir fazendo check-in, na medida em que você se locomove, de forma que em algum infortúnio, eles tenham mais informações para trabalhar.

Pista parcialmente coberta de neve

O que achou? Deixe nos comentários se tiver dúvidas ou quiser mais dicas!

Quais lugares conhecer?

Uma roadtrip pela Islândia, em qualquer direção, vai te levar para lugares incríveis. Basta estar lá. Basta a sensação do horizonte infinito, das montanhas nevadas, os campos negros de lava e a companhia dos vulcões. O mar de um lado e as highlands do outro. Entre um glaciar e um gêiser, vagar pela ilha é o melhor programa.

É claro que existem pontos mais reconhecidamente atrativos e nós passamos por muitos deles. Mas não conseguimos destacar um dia melhor que o outro. Todos os dias, todos os trechos e tudo o que vivemos foi igualmente incrível.

Na imagem abaixo está o trajeto que percorremos. Fizemos vários desvios para fora dessa rota, em busca de algum vilarejo, geleira, cachoeiras etc, mas logo retornávamos ao trajeto e seguíamos.

As estrelas marcam os locais de pouso. Começamos e terminamos na capital Reykjavik e seguimos sentido anti-horário.

Mapa - Roadptrip pela Islândia
Reserve tempo suficiente para você fazer tudo com calma

Note que não é um trajeto muito longo. Pouco mais de 1.600 km, fora os desvios. Porém, não cometa o erro de reservar poucos dias para isso. Vai te fazer perder a oportunidade de fazer tudo com calma e vai te exigir dirigir muitas horas ao longo do dia e talvez da noite. Como já vimos acima, o clima pode não ajudar. Programe de 3 a 4 horas diárias de estrada, no máximo, se for inverno.

Fizemos isso e correu tudo bem.

Como montar o trajeto de carro?

O trajeto terá de ser baseado na quantidade de dias que você reservou e nas cidades que escolheu para servir de base por uma ou mais noites. Depois disso, basta pesquisar outros pontos de interesse nas proximidades e traçar a rota. É mesmo simples. Só ter cautela e dar-se tempo para curtir a estrada. Sem pressa e com segurança. Será inesquecível.

Aurora Boreal

A Aurora Boreal é em si razão suficiente para ir ao ártico. Nossa jornada em busca dela foi muito empolgante e inesquecível, mas deixou um gosto de quero mais.

Contamos com mais detalhes nesse outro post “A Islândia e o sonho da Aurora Boreal”. Dá uma espiadinha depois, você vai gostar!

Quanto vai custar?

Isso também depende. A Islândia é um lugar caro e infelizmente inacessível pra muita gente. Mas talvez não seja o seu caso e com um bom planejamento, ela seja um sonho ao alcance. E possível buscar formas de baratear. Mas por favor, atenção para as economias erradas.

Não dá para economizar no carro. É preciso um carro e ponto. Ele pode ser um carro de pequeno porte, se você só trafegar nas estradas principais e pavimentadas, especialmente no verão. É preciso ser um carro mais estável, talvez um 4×4, se você for submetê-lo à neve e estradas não pavimentadas.

Não dá pra economizar no combustível. É aconselhável, inclusive, que você encha o tanque SEMPRE que passar por um posto. Sempre. E mais, compre e leve consigo um galão extra, para o caso de viajar por longos trechos sem nada ao redor.

Mas dá pra economizar com alimentação. Faça uso de supermercados nas cidades maiores e coma no carro. Dá pra economizar com hospedagem, ficando em hostels, compartilhando cozinha, banheiro e mesmo quarto.

Não dá pra economizar com telefonia, pois por segurança é necessário estar com um celular para auxiliar na navegação e em caso de emergência, mas dá pra economizar com atrações turísticas, pois a natureza estará ao seu redor, esperando para ser contemplada de graça.

Simplesmente não compre água. Tenha consigo um recipiente e encha em fontes, cachoeiras, torneiras e em qualquer lugar. A água da Islândia é provavelmente a melhor do mundo.

E por fim, dá pra economizar nas compras e trazer de recordação apenas as mais incríveis memórias e as mais surreais imagens.

Dá pra economizar. E quem sabe, viver essa experiência.

Os gastos principais serão:

– Passagem aérea ida e volta / É simples, basta uma pesquisa rápida em sites como Skyscanner ou Kayak.
– Aluguel de veículo / Também da pra consultar via internet. Nós alugamos através dessa empresa e desse site: Ice Rental 4×4
– Hospedagens / Nós reservamos tudo pelo Booking e pagamos em média R$ 200,00 por pessoa por noite. Era possível ser mais barato, mas também era possível ser bem mais caro.
– Combustível / Veja o carro que pretende alugar e pesquise seu consumo por litro. Calcule com alguma folga quantos quilômetros irá percorrer e multiplique pelo valor do litro de gasolina. Na data em que escrevo esse post, o litro da gasolina na Islândia está por volta de R$ 7,00.
– Alimentação / Depende demais de você. Uma média razoável seria considerar R$ 70,00 por pessoa, por dia. Comer em restaurantes vai elevar muito essa média. Cozinhar e preparar a própria comida é o segredo.

 A Islândia não é um destino muito budget-friendly. Mas não desista!

Vale a pena?

Que tal mostrarmos através de imagens e vídeo? Você pode ver tudo e depois nos contar nos comentários o que achou!

Icebergs em praia de areia negra
Caminhando em praia de areia preta
Geleira e lago glacial
Céu azul e montanhas nevadas
A Flora em meio a paisagem nevada
Rio azul turquesa
Horizonte com muita neve

E pra fechar, um vídeo de nosso canal no Youtube:

E então, que tal começar a planejar sua ida à Islândia, numa memorável roadtrip?

Nossa passagem por lá rendeu um convite para escrever um artigo à uma revista, com o tema plenitude. Você pode conferir ele aqui: Na Islândia encontrou-se a plenitude.

Obrigado por ler até aqui. Esperamos que tenham gostado.

Até o próximo post;

Le.

obs: não deixem de seguir nossa playlist da viagem Islândia no Spotify!

3 Comments

  1. Gabi Ramalho

    25 de julho de 2019 at 13:36

    A Islândia parece ser realmente um destino incrível, né? Lendo esse post e vendo as imagens, me lembrei da roadtrip da Dani Noce e do Paulo Cuenca, vocês provavelmente já viram hehe. Realmente não parece ser uma viagem muito fácil e também não muito recomendada para primeiras experiências rs mas é sempre interessante ver conteúdos assim 🙂

    1. Aondes

      25 de julho de 2019 at 19:29

      Oi Gabi, tudo bem por ai? Sim, a Islândia é mesmo muito, muito incrível. Que bom que gostou do post.
      Antes de viajarmos pra lá, a gente viu sim os vídeos da Dani e do Paulo. Eles são demais! Eles passaram alguns perrengues na estrada né? rs… mas foi tudo bem e fizeram uma viagem dos sonhos. Espero que você tenha a oportunidade de ir pra lá em breve 🙂
      Você viu o vídeos dessa roadtrip, que temos em nosso canal lá no youtube? O que achou?

      Muito legal te ter por aqui! Obrigado pelo comentário 🙂 Abraços, Leandro.

  2. Londres - 5 dias em um roteio descompromissado - Aondes

    29 de agosto de 2019 at 12:16

    […] de uma gelada passagem pela Noruega (veja aqui) e Islândia (veja aqui) quando visitamos Londres pela primeira vez juntos. O retorno ao Brasil a tinha no caminho, então […]

Leave a Reply